Bem vindos!













Bem vindos ao Monster High School! Fique a vontade e se junte com a gente .::Gossip Monster::.
Vectro Graphics




Últimos Assuntos
















O que está acontecendo atualmente em Chernobyl City?
Últimos assuntos
» {Descrição} Hibridos
Sab Dez 26, 2015 8:30 pm por Mackenzie A. Irvine

» {Descrição} Sacerdotes e Sacerdotisas
Sab Dez 26, 2015 8:26 pm por Mackenzie A. Irvine

» Membros da Casa da Vida
Sex Dez 25, 2015 10:10 am por Mackenzie A. Irvine

» {Descrição} FTCS
Sex Dez 25, 2015 10:09 am por Mackenzie A. Irvine

» {Descrição} Transmorfos
Sex Dez 25, 2015 10:01 am por Mackenzie A. Irvine

» {Descrição} Oráculos
Sex Dez 25, 2015 9:55 am por Mackenzie A. Irvine

» [FP]-Alex Mikaelson
Qui Nov 27, 2014 6:43 pm por Convidado

» [FP] Srta. Annie Voguel
Sex Nov 21, 2014 12:05 pm por Convidado

» [FP] Jessica Hans
Dom Out 05, 2014 11:09 pm por Convidado
















Nossa Staff
Passe o Mouse para ver info






MPPERFIL



MPPERFIL



MPPERFIL



MPPERFIL



MPPERFIL



MPPERFIL



MPPERFIL
Nossos Parceiros
















Aqui são nossos parceiros
Parceiros
Image and video hosting by TinyPic Image and video hosting by TinyPic Image and video hosting by TinyPic Image and video hosting by TinyPic Image and video hosting by TinyPic button

[FIC] Pra você lembrar de mim

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

[FIC] Pra você lembrar de mim

Mensagem por Convidado em Sab Jun 15, 2013 10:09 pm


Hanny Rocha


Última edição por Brooke Haony em Seg Jun 24, 2013 3:18 pm, editado 1 vez(es)

Convidado
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [FIC] Pra você lembrar de mim

Mensagem por Convidado em Seg Jun 17, 2013 8:22 pm

Cap. 1 {Relance}
  
Primeiro verão
 
A gente vai se casar, e eu vou comprar um cachorro. O nome dele vai ser Jack, no inicio você não vai gostar do nome, vai falar que não quer nome de gente no cachorro, mas vai se acostumar. Depois de um tempo, teremos um casal de filhos, e toda vez que eu chegar em casa depois do trabalho, Jack vai pular em mim de felicidade, vou dar alguns doces para as crianças e um beijo em você. Mais tarde na madrugada, vamos fazer amor, você vai falar que me ama e eu vou dizer que você é a mulher da minha vida. Passaremos longos dias felizes juntos, vamos ver as crianças se tornarem adultos e formarem suas famílias. Vai passar muito tempo, e nossa pele já não vai ser como antes, vamos dar passos mais curtos, a memória vai falhar as vezes. Mas somente uma coisa vai permanecer como agora, o nosso amor .


Com amor
- Daiv
-x-  -x-  -x-


Daiv, como podia descreve-lo? Começara por suas loucuras, ou até mesmo seus defeitos que não são poucos - quem não tem? - os traços de seu rosto lhe davam um ar de maduro, seu queixo era uma das partes que eu mais gostava dele, dava-lhe um ar mal, seu cabelo bagunçado deixava-o com cara de garoto travesso, seus meio sorrisos, sim, "seus", ele tinha vários, um que provocava, o irônico, o egocêntrico, o provocador, o terno... passaria dias para dizer todos, conheci cada um, o meu preferido era o irônico, o que ele sorria e arqueava uma das sobrancelhas, era na maioria das vezes difícil de lhe dar, não querendo dar corda a briga acabava que por me afastar, mas na minha cabeça eu o xingava de todas as maneiras possível  no final sempre gritava - Eu te amo seu tosco - Não importava de quem era a culpa, mas sempre corria em sua direção e deixava que meus lábios concretizassem o ultimo pedido de desculpas, mesmo que a culpa tenha sido dele.


- Sua louca, o que está fazendo? - pergunta ele indo na minha direção enquanto pego as roupas e jogo na mala, quase todas, mas enquanto eu colocava as roupas, ele insistia em tira-las e joga-las de volta na cama, seu cabelo estava como sempre bagunçado, não havia sorriso, nem meio, apenas um expressão com um misto de raiva e decepção,
- Você sabe o que estou fazendo, eu vou embora daqui - Não me pergunte o por que eu estava a fazer aquilo, nem eu mesma sabia, acho que o amor que sentia por ele era tão grande que eu queria poder sentir um pouco de sua falta, passávamos os nossos dias praticamente juntos como se já estivéssemos casados - coisa que não tocamos no assunto - não morávamos juntos, mas dormia algumas noites em sua casa, acho que estava na hora de parar um pouco.
- Te dei motivos pra isso? - pergunta enquanto puxa dessa vez a mala de cima da cama e a joga no chão, tomo um susto ao ver a expressão de raiva que tinha em seu olhar, me perdoe, eu só preciso ir, não queria mentir, mas também não queria dizer a verdade, e se ele pensasse que não o amo mais? Seria ainda mais doloroso para ambos. 
- Talvez, só me deixe ir Daiv - tentei puxar de volta a mala - Baby...- sussurrou ele, esse era o apelido que adotou pra mim desde que nos conhecemos, eu sempre odiei esse apelido, mas ele foi mais rápido que eu e me encostou na parede colando seu corpo esguio no meu, ele era uns centimetros mais altos que eu, o que me deixava em desvantagem por ele ser mais forte também - me deixe ir, por favor... - deixei que as palavras morrerem quando seus lábios procuram os meus de forma agressiva, quase como se minha boca fosse o ar que o salvaria do ultimo suspiro, pude sentir minhas mãos procurarem sua nuca enquanto correspondia seu beijo que se suavizou aos poucos e pulo em seu colo sentindo seus braços agarrarem minhas pernas - sim, eu sempre me renderia a ele, não tinha como - enquanto eu tentava em vão sair de seus braços ele me envolve na cama deixando que todos os meus medos e decisões ja formadas em minha cabeça vão embora, era isso que eu odiava no Daiv, ele sempre me fazia mudar de ideia, o que sentiamos um pelo o outro dissipava qualquer decisão de se afastar.
- Eu amo você, duvida? - ele agora fitava bem meus olhos enquanto seus dedos percorriam meu rosto o sentindo, seu toque fazia com que minha pele formigasse querendo mais e mais e fecho os olhos recordando de todas as coisas que nos aconteceram entre nós, não eramos um casal politicamente correto, eu nunca duvidara de seu amor, isso seria quase como que um pecado ao coração. - Nunca, até o ultimo suspiro lembra? - proferi antes de meus labios procurarem os seus novamente o puxando pela camisa fazendo que alguns botões procurem o chão numa queda abafada, suas mãos procuram anciosas por cada parte de meu corpo fazendo-o arder enquanto fazia o mesmo, o meio sorriso provocador aparece novamente dessa vez seguido por uma trilha de beijos que começavam do meu pescoço, cada um parecia trazer um pouco das suas palavras juntos, terceiro passo? Não tinhamos em que pensar, eramos apenas nós e nossa saudade contida de uma forma que eu nem sabia que existia, era sensações que brotavam à flor da pele me descobrindo cada vez mais, seus labios urgentes me faziam tremer por dentro enquanto ia em busca dos seus, aquela não era nossa primeira noite, mas todas as que passamos era como se fossem a primeira e ultima, nada nos pararia, nada nos separaria.
- Até alem dele - sussurrou por entre nossos labios enquanto minhas unhas percorriam suas costas o fazendo arfar, não ignore - retrucava minha mente, não tinha como ignorar, eu não iria mais a lugar nenhum, aquele era meu lugar e sempre foi, meu eu seu, todo seu.


O sol ja estava querendo se pôr dando lugar a lua que estava ainda crescente, o fluxo de pessoas passando na ponte ainda era constante quando me sento nela e acendo o cigarro, distraindo minha visão com a fumaça desviando os olhos do mar abaixo do meu velho all star jeans que agora estava num tom acinzentado, meus pensamentos estavam nas coisas que pareciam não ter sentido, a vida é injustas? Muitos dizem que sim, outros acreditam que é apenas uma trilha para um caminho bom, mas ninguem sabe ao certo qual é a verdadeira verdade.
O celular vibra insistentemente no meu bolso traseiro, Pucci, apelido de infância de Patrine, mas nunca soube ao certo a origem desse apelido - ela nunca disse - puxo ele do meu bolso e abro a primeira mensagem.

Onde você está?

A segunda...

Vacuo, ja até imagino o que seja, não vai desistir né? espero que não
Você o ama.

Apenas devolvo o celular para o bolso sem responde-la e dou outra tragada no cigarro o jogando logo em seguida no mar, a falta que sentia de Daiv era bem maior que essa imensidão na minha frente, sentia saudade do seu cabelo bagunçado, dos meio sorrisos, das trapaças, dele, não sabia o que iria fazer, mas meu coração pulsava dentro de meu peito, eu nunca desistiria dele, eu o amava demais pra isso.


Última edição por Brooke Haony em Dom Jun 23, 2013 12:17 pm, editado 1 vez(es)

Convidado
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [FIC] Pra você lembrar de mim

Mensagem por Convidado em Seg Jun 17, 2013 8:32 pm

Ham de começo não da para compreender muita coisa, mais dês de já estou a gostar muito mesmo que o amor seja sempre coisas lindas ele tem sua particularidade. É AMAZING.
Quero continuação, o quão bom vai ser?

Convidado
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [FIC] Pra você lembrar de mim

Mensagem por Convidado em Seg Jun 17, 2013 8:43 pm

Lindo *-*
quase chorei aqui, quero continuação

Convidado
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [FIC] Pra você lembrar de mim

Mensagem por Convidado em Sex Jun 21, 2013 8:48 pm

Cap. 2 {Bola fora}

- Haony - gritou Pucci quando me avistou chegar na praia, meus pés tocam a areia devagar e posso sentir o cheiro da maresia me invadir, louca ou não eu amava aquele cheiro, me fazia lembrar quando minha familia viajava todo ano para alguma praia em Carolina do Norte e eu passava horas procurando conchas de diversos tamanhos e cores, ainda tenho muitas delas, uma das unicas recordações que tenho de meus pais - Onde você estava? achei que não viria - grita ela mais uma vez vindo em minha direção com um vestido branco curto que colava bem definindo ainda mais seu corpo cheio de curvas, ela segurava uma cerveja e pelo seu tom de voz ja estava com "umas" na cabeça, era facil identificar o grau de alcool na Pucci, quanto mais alto ela falava mais perto de apagar estava, o que significava que levaria ela mais uma vez pra minha casa torcendo que ela não colocasse toda aquela cerveja pra fora dentro do meu New Beetle que tinha passado quase toda manha pra deixa-lo um brinco.
- Amanha tem teste de trigonometria e você está bebendo!? Seu celebro ja não funciona direito você sóbria muito menos de ressaca - retruquei vendo se aproximar de mim trazendo uma cerveja e me entrega piscando os olhos.
- Vai ser facil esse teste, vou fazer de olhos fechados - apesar de estar a poucos centimetros de mim seu tom de voz ainda era alterado, olhei a minha volta toda extensão da praia, o luau ainda não tinha se iniciado e haviam poucos estudantes do nosso colégio reunidos ao redor da fogueira, dentre eles o Travis e me arrependi por não me arrumado melhor, estava com um short bege e uma blusa branca de alça fina com meus cabelos castanhos e repicados soltos, mordi os labios e mesmo bêbada a Pucci percebeu minha reação - Olha quem está ali, Travis Hayes.
- Só se for de olhos fechados dormindo - proferi numa tentativa futil de mudar de assunto antes que alguem percebesse, mas ela falou alto demais e olhares nos fuzilaram, principalmente o do Travis quando encontram os meus me deixando ruborizada. - Oi - profiro acenando com a mão e puxando Pucci logo em seguida, não acredito que ela tinha feito aquilo - Você é louca?
- Não, mais você é louca por ele vamos ver... desde seus 15!? - 14 pra ser exata, conheci o Travis na vespera do meu aniversario, mas isso não passou apenas de alguns "Oi" nada mais que isso, eu nunca tive coragem de dizer o que sentia ou me aproximar, então não passavamos de apenas conhecidos. - Te desafio a começar a beber - ela joga o truque sujo, sabia que precisava daquilo pra encarar o resto da noite e não tinha como negar, tirei a tampa metálica com o dente e dei um gole deixando que o liquido desça por minha garganta ja agitando meu estômago que estava quase vazio - Isso garota.

Ja era por volta de quase meia noite quando a praia ja estava um pouco mais cheia, o mar meio agitado fazia aquele som familiar que me trazia nostalgia tambem deixava minha mente e corpo mais leves, o alcool ja fazia efeito e os gritos frenéticos de Pucci não pareciam assim tão altos.
- Boa Noite galera, estão se divertindo? - Proferiu um cara da mesma turma que eu de biologia, mas que não recordava o seu nome naquele momento, ele estava num palco improvisado ao lado da fogueira com um ar meio desajeitado, varios gritavam ao nosso redor e ele deu um sorriso enquanto se livrava de uma mecha dourada solta de seus cabelos e a recolocava atras da orelha - Quero que deem as boas vindas pro meu amigo recém transferido pra cá, Daiv Simon.
Meus olhos não estavam nada interessados até encontrarem os seus, olhos dissimulados, os traços sérios de seu rosto se transformaram num sorriso curioso quando desviou o seu olhar e começou a dedilhar seu violão, aquela canção desconhecida ecoava na minha cabeça de uma forma quase surpreendente, como se pudesse sentir cada nota, seus cabelos bagunçados davam-lhe um ar de garoto travesso - parecia ser apenas eu e o mar - no meio de toda aquela multidão ao ouvir sua voz, o acaso estava me pregando uma peça entre muitas outras, o extase fazia com que meu coração pulsasse de uma forma estranha, apenas uma impressão - dizia eu em minha cabeça, mas seus olhos encontraram os meus novamente e meus sentidos pareciam se voltar todos para ele, havia muitos verões, mas aquele olhar fez que esse se concretizasse o mais importante, mal sabia eu disso.
- Nossa, de onde esse cara veio!? - Eu não aguentava mais os gritos de Pucci aos meus ouvidos, estavam cada minuto mais altos e isso significava que estavamos perto de ir pra casa.
- Obrigado - murmurrou timidamente para a galera que estava a aplaudir, estavamos praticamente na primeira fila de pessoas diante do palco, ele pareceu assentir pra mim e coro enquanto dou outro gole na cerveja, um meio sorriso surgiu de seus labios, um quase que dizendo "eu te desafio" o que me fez voltar minha atenção a Pucci que ainda estava a olha-lo.
- Aproveita, parece não ter namorada - digo a ela observando quando ela joga a garrafa vazia na areia e procura por outra, mas a detive - Ja chega por hoje, deu um trabalho deixar meu carro limpo.
Ela faz beicinho enquanto reviro os olhos pra ela e tomo o resto do liquido que ainda faltava na garrafa, a fogueira agora tinha varias pessoas ao redor a se aquecer enquanto alguns cantavam, muitos deles casais e fico a pensar a ultima vez que beijei um cara, o Travis era o primeiro da minha lista, mas eu parecia apenas mais uma invisivel, ele fazia parte do time de lacrose e eu apenas uma estudante normal "sem titulos", nunca tivemos assuntos longos que não fosse sobre historia por ele sentar do meu lado na aula, então isso o tirava completamente da lista.
- Cara você é muito foda - A voz da Pucci me tira imediatamente de meus pensamentos e me faz voltar a realidade e fitar quem estava em nossa frente, Daiv, finjo não ligar muito pro que ela falou e continuo fitando como estava o luau, mas minha vontade era encontrar seus olhos novamente.
- Obrigado - proferiu Daiv - procurando seu namorado baby?
Baby!? Não tive como evitar voltar a encara-lo.
- Si... - comecei, mas senti uma cotovelada me fazer engasgar com as palavras.
- Haony não tem namorado - Eu tive vontade de apaga-la dessa vez e vi um sorriso irritante surgir dos labios de Daiv - Sou Patrine.
- Prazer - ele aperta sua mão e a puxa pra beijar sua bochecha o que a faz soltar um quase gritinho animado e fecho a cara. - Prazer Haony.
Ele se volta pra mim se aproximando, seus olhos nos meus era uma coisa totalmente diferente e eu odiava aquilo, era tão irritante seu jeito, mas ele parecia não se incomodar com minha expressão de poucos amigos e repetiu o mesmo gesto que fez com Pucci, pude sentir sua respiração em meu rosto enquando sentia seu cheiro quase embriagante, ele era mais alto que eu alguns centimetros o que o obrigou a se inclinar um pouco, mais o beijo durou mais que o esperado - Que tal uma volta? - sussurrou ele no meu ouvido me trazendo um arrepio de imediato.
- Não, eu e a Pu... - outra cotovelada seguida de um puxão.
- Esta doida? - pergunta ela - quantas garotas não estariam se matando pra dar uma volta com ele agora? - olhamos ao redor e parecia mais aquelas cenas de filmes, um grupo de garotas sussurrando e olhando pra ele enquanto arqueava a sobrancelha concentrado na gente e revirei os olhos mordendo o labio.
- Mas não sou como elas.
- Te desafio a beija-lo - Lá vem ela mais uma vez com isso, eu balanço imediatamente a cabeça negando fazer aquilo quando olho para o centro das frenéticas e vejo Jéssica, a lider delas que balançava os cabelos e ajeitava a roupa o olhando, parecia uma cobra prestes a dar o bote, e com toda certeza ia. 
Mordo mais uma vez os labios e fito a Pucci - Você me paga - digo a ela antes de ir em direção a Daiv que ja abria um meio sorriso, aquele irritante de novo e antes que ele proferisse algo meus labios procuram os seus de uma forma qualquer e desajeitada, ele parece surpreso a minha reação, mas logo retribui me envolvendo em seus braços, bêbada ou não, o final daquele beijo não foi como eu queria que fosse, acabei por sentir algo que não queria e me arrependo na mesma hora.
- Baby!? - proferi arfando entre nossos labios enquanto tambem tento retomar meu fôlego.
- Cala a boca - mordo seus labios voltando a beija-lo, talvez fosse efeito do alcool, talvez...não.

Convidado
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [FIC] Pra você lembrar de mim

Mensagem por Convidado em Seg Jun 24, 2013 4:51 pm

Cap. 3 {Desconhecidos}

Mais uma manhã se inicia e minha cabeça estava a ponto de explodir, eu sabia que aquilo era resultado de Pucci e seu luau e que ia me ferrar no teste de hoje por que minha cabeça tava uma bagunça, me levanto devagar com as mãos na cabeça e vou buscar um remédio na caixinha.
- Mais que mer... - profiro fechando os olhos quando vejo um cara semi nu apenas coberto com um lençol o sofá, não era de se admirar o que seria, ele se ajeita no sofá e me fita coçando a cabeça, bom, aquilo era embaraçado, parecia que não era só eu que tinha feito farra na noite anterior - Quem é você?
- S...sou Vinnie - gaguejou o tal homem, ele não parecia ser tão mais velho do que eu, chutaria uns 23 no máximo, se meus pais vissem essa cena com certeza prefeririam que eu morasse sozinha ao que conviver com minha tia - Justineee!? - gritei indo em direção as escadas.
Não demora muito até ela descer e fitar minha cara de ressaca com a cara ainda mais sínica que a minha.
- Haony, eu achei que já tinha ido pro colégio - engoliu em seco.
- É difícil não ficar assim quando acorda e dá de cara com um homem pelado no sofá, Justine, o que é isso? - certo, eu estava agindo mais como tia do que sobrinha, os papeis pareciam estar sendo invertidos, talvez se "fosse" meu caso ela não tinha agido de tal forma. - Quer saber? resolva-se que eu vou pro colégio, espero me dar bem no teste - vou dando meia volta pro meu quarto e escuto uma pequena discussão se iniciar la em baixo e bato a porta do meu quarto acordando Pucci que estava de bruços babando no travesseiro. - Quem eu devo matar?
Ri, até de ressaca e mal humor ela me fazia rir.
- Tem um homem quase pelado no sofá da sala - gritei sentindo minha cabeça rodar e ela me fita interessada e vai de encontro a porta - Pucci.
- Aquilo não é um cara, é um monumento histórico - proferiu com a voz cheia de animação.
- Fecha essa porta, precisamos ir ou vamos nos atrasar pro teste.

Não demorou muito para chegarmos ao colégio, a maioria dos alunos estavam como nós - de ressaca - eu não me lembrava muito bem da noite de ontem simplesmente por que o álcool dava-me esse efeito colateral, havia poucos alunos a circularem pelo corredor e já estava perto da primeira aula, então teria que me apressar, o sono ainda me consumia.
- Estamos ferradas? - perguntou P enquanto abria seu armário e jogava suas coisas de qualquer jeito e pegava alguns livros, se ela estava falando do teste, estávamos mesmo por que quando acordei as formulas pareciam ter se embaralhado todas na minha cabeça - Bem, que bela forma de começar o semestre.
- Eu te avisei - tentei, mas era em vão.

O teste se estendeu como se não fosse ter fim, Pucci estava tão inclinada por cima da prova que quase tive a impressão de ela estar dormindo, não só ela mais todos, a Sr. Lewis estava na sua mesa olhando alguns papeis e de vez em quando levantava seus olhos por cima das lentes grossa de seu óculos e nos fitava procurando ver se não tinha alguém bolando as regras e a cada olhar o silêncio parecia congelar toda a sala, ele não era do tipo que chamava a atenção e sim do que punia em silêncio.
Levei meus olhos de novo ao teste e tentei pensar nas formulas, mas parecia-me impossível, eu não lembrava de muita coisa, por conta disso eu iria mesmo começar bem o semestre com um belo C, ou um B- talvez.
- Fez alguma? - Pucci sussurra atras de mim fazendo o Sr. Lewis levantar os olhos e nos fitar anotando algo numa folha e apenas balanço devagar a cabeça em sinal negativo e escuto ela bufar atras de mim, segundos depois e sinal toca e todos se levantam, bem, ótima maneira de começar o semestre.

Como sempre David estava a nossa espera no refeitório, nossa mesa era uma das menores, eramos apenas nós três, abro minha Pepsi enquanto observo David olhar para algum lugar do refeitório de relance.
- Haony, o Travis me pediu pra te dar um recado - a voz dele foi baixa, então apenas nós conseguíamos ouvir e Pucci quase engasgar com suas jujubas fitando ele logo em seguida - Ele quer falar com você agora no corredor, pediu pra ser discreto, então, acho melhor você ir logo.
- Aimeudeus Haony, Travis quer falar com você!? Deve ter dado um belo pé na bunda na Jéssica - ela sussurrou parecendo bem mais animada que eu, eu estava surpresa e nervosa ao mesmo tempo, fazia muito tempo que eu era afim do Travis e finalmente ele queria falar comigo, eu não sabia bem o que dizer.
- Melhor ir andando Haony, o tempo está passando - diz ele levantando os olhos do seu mangá de Bleach favorito e dando um meio sorriso - Boa sorte.
- Vai lá, Boa sorte - Pucci dá um tapa de leve em minha bunda quando me levanto e vou em direção aos corredores, o que ele queria falar comigo? ou que iria dizer? Eu já estava louca mesmo antes dele falar a primeira palavra.

Quando chego no corredor principal vejo Travis encostado no seu armário e dou um meio sorriso indo em sua direção, seus músculos bem definidos destacavam-se por sua camisa preta, algumas de suas tatuagens apareciam no final da manga, Travis fazia o tipo lutador, mas jogava no time de lacrose e se saia muito bem em tudo, sua aparência sempre enganava.
- Oi - limpei a garganta quando chego a poucos centímetros dele, seu perfume forte transmitia a essência de masculinidade, pura testosterona como diria Pucci, seus lábios formam um sorriso tranquilo e seus olhos castanhos claros acham os meus finalmente me deixando ruborizada.
- Oi Haony - sua voz era calma, bem diferente da minha carregada de nervosismo - Você estava bonita ontem no luau, me desculpe não ter ido falar com você.
- Não tem problemas - dei um meio sorriso e logo volto a fita-lo - David disse que queria falar comigo.
- Sim, queria te perguntar se queria ir ao Clarck's comigo hoje á noite, é a inauguração - Clarck's era o park de diversões que havia se instalado em nossa cidade pra ficar, aqui não tinha muitos lugares para se divertir, mas estava melhorando com um tempo, seus olhos seguiam cada movimento dos meus esperando por minha resposta - Topa?
- An... Claro - foi tudo o que consegui dizer antes do sinal interromper meu desvaneio, eu ainda estava surpresa, o Travis tinha me convidado para um... - Encontro?
- Vamos dizer que sim, então te vejo no Clarck's as sete? - ele diminuiu ainda mais nossa distancia e levantou meu queixo com seu rosto bem próximo ao meu e me beijou o rosto demoradamente, não pude conter as sensações que se espalhavam dentro de mim e fechar os olhos por um breve instante enquanto sentia o cheiro de seu perfume, eu podia quase derreter ali naquele momento.
- Perfeito.

- O que!? Ele te convidou pra ir no Clarck's hoje a noite!? - Eu quase tapo a boca dela com as mãos, Pucci era tão neurótica que era quase impossível contar um segredo pra ela e ficar apenas em segredo, uma dica? Nunca diga segredos graves a ela, o álcool sempre a fazia os liberar sem "querer" - O que disse?
- Disse que sim e ele vai me esperar lá as sete - Mal pude conter que um gritinho saísse de meus lábios, eu ainda não acreditava que aquilo estava acontecendo, depois de 4 anos finalmente iria sair com o Travis, não por ele ser o mais conhecido do colégio, mas por que eu não ligava muito pra aquelas coisas e era afim dele desde muito tempo.
- Eu vou com você, quando chegar lá procuro o David, mas quero ficar por dentro de tudo, aimeudeus eu mal posso acreditar. - Estávamos pegando nossas coisas no armário do ginásio, havíamos acabado a aula de física e tomado uma chuveirada pra se livrar do suor e irmos em direção ao nosso armário nos corredores, estava tudo indo bem, muitos alunos já estavam no estacionamento e iriamos fazer o mesmo depois que pegássemos nossas coisas.
- Sabe o que vestir? - A pergunta da Pucci me pegou desprevenida e me vejo nessa duvida, eu não tinha a minima ideia, então dei de ombros - Uma ajudinha?
Assenti fechando o armário e vejo um braço me interromper de passar e fito seus olhos.
- O que está fazendo? - pergunto deixando que minha voz deixe transparecer um pouco de raiva, Daiv me fita com um meio sorriso irritante e dar de ombros. - Por favor? - profiro gentilmente para que possa sair dali, aquele seus olhos me deixavam um tanto nervosa.
- Baby, só queria lhe cumprimentar.
- Ok, Oi Daiv, segundo não me chame de baby, eu odeio esse apelido que veio de sei lá onde, meu nome é Haony - ele conseguia mesmo me tirar do sério.
Ele dar de ombro mais uma vez, mas não se move.
- An...Eu te espero no carro - proferi Pucci saindo e me deixando sozinha com ele e reviro os olhos, ótima maneira de me ajudar.
- Agora posso ir? - pergunto mais uma vez o vendo arquear a sobrancelha e continuar a me fitar enquanto levanta meu queixo devagar como Travis fez agora pouco - O que quer?
- Outro beijo daquele. - Que cara de pau.
- Nem morta, eu estava bêbada, nem me lembro de ter te beijado - menti descaradamente o que fez uma risada sair de seus lábios e aproximar ainda mais seu rosto do meu - Eu preciso ir Daiv.
- Você não sabe menti, claro que lembra, você lembra até meu nome.
- Por que você tem nome de idiota.
- Mesmo? Pelo menos esse idiota te causa isso. - Antes que pudesse desviar meu rosto seus lábios encontram os meus e seu corpo cola ainda mais em mim, eu sentia vontade de soca-lo a cara, mas ao mesmo tempo era estranho o jeito como queria continuar ali e corresponder ao seu beijo sem jeito, ele tinha razão e antes que pudesse me convencer disso lhe mordi os lábios com força na tentativa de afasta-lo, mas ele apenas riu entre nossos lábios e voltou a me beija, então o empurro. - Um dia ainda vai me dizer que tenho razão.
- Vai sonhando - profiro jogando a bolsa nas costas e indo em direção ao estacionamento, eu não ousava olhar pra tras, eu não podia acreditar na confusão que se formava em mim, podia piorar? - Prazer, Mulher problema - digo pra mim mesma se aproximando de Pucci que já me fitava com aquela cara que só ela tinha quando percebia que tinha algo errado ali.

Convidado
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [FIC] Pra você lembrar de mim

Mensagem por Convidado em Seg Jun 24, 2013 5:17 pm

estou adorando a fic *--*
quero ver o encontro da Haony com Travis, o que será q vai acontecer? Curiosaaa, postei mais!!!

Convidado
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [FIC] Pra você lembrar de mim

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum